quarta-feira, maio 09, 2007

dos que não deixam rasto...

ricardo fonseca - anuário de fotografia portuguesa 1985

os portugueses são um povo de muita mobilização, apoiam causas, andam atrás de injustiças e respondem bem a apelos internacionais, vestimos todos brancos em vigílias por Timor, apoiamos a ajuda por causa katrina, todos os anos doamos no natal para acabar com a fome, recolhemos medula por causa de uma criança, assinamos petições por casos de tribunais em disputas burocráticas, etc.

nesta sociedade cada vez mais egoísta são actos de louvar, é pena é ser pontual…

anda meia europa à procura da Madeleine, recobrindo os mesmos locais e a seguir pistas dúbias pelos pais e os portugueses também se mobilizam

também de louvar, tenho pena é que como sempre sejam situações pontuais, todos os anos desaparecem crianças e menos crianças por portugual fora e o que se ouve? quem se mexe? o única criança que se ouviu falar um pouco mais foi o rui pedro e tudo por causa da vontade peregrina de uma mãe que nunca irá desistir…

fazem-se debates, vendem-se jornais, critica-se toda a gente e ainda ficam admirados pelo facto de 2 pais poderem ser processados por negligentemente terem deixado 3 crianças de menos de 3 anos em casa enquanto iam jantar num restaurante, já se viu perder crianças por menos e não se vê salvar uma criança por muito mais

não entendo esta doença auto-imune que padece a humanidade que faz semelhantes seres humanos tanto maltratar semelhantes seres humanos, talvez por isso mesmo, sendo eu um humanista, penso que nem todas as vidas são assim tão importantes como isso e que não se devem sobrepor ao resto do mundo

não me interpretem mal, acho muito bem que as pessoas se mobilizem e que se ande desesperadamente a procura até encontrar, mas que seja mais que isso, que não seja apenas por um casal inglês que incompetentemente perdeu uma criança que não tem culpa nenhuma, que seja também pelos portugueses que se perdem ou que já nascem perdidos, não se esqueçam do resto e de todos nós…

não se esqueçam dos níveis de pobreza forçada tanto urbana como interior, dos infernos florestais tão fáceis de minimizar, dos allgarves que afinal não servem para nada, da guerra civil das estradas, nem só as crianças que se perdem precisam de ajuda, nem só no natal os bancos alimentares devem estar cheios, nem só nas noticias há situações de miséria, basta sair à rua… e esses passam tão ao lado…

6 comentários:

carlopod disse...

concordo totalmente.... todos os anos desaparecem crianças e esta paranóia com esta criança é só porque a sky news não nos larga.

expatriada disse...

sim mas a minha opiniao nao e' diminuir a paranoia com esta crianca mas aumentar a paranoia com todas as criancas q desaparecem inexplicavelmente... talvez o sucesso seja maior no final de cada dia!

e quanto a salvar o mundo... prefiro n ver as coisas nesse geral (minha opiniao)... se cada um fizer so um bocadinho, participar em eventos, dar um pouco do nosso tempo (e n so dinheiro) como voluntario a uma instituicao q acreditamos q faz o possivel e impossivel p melhorar as coisas o conjunto de varios bocadinhos seria bem mais sorridente!

Esta e' a minha maneira de ver um mundo cheio de desgracas q nos rodeiam e tentamos ignorar...

Xein disse...

Pois eu não podia assinar mais forte em baixo! Estás coberto de razão!

Sente-te!

indigente andrajoso disse...

ainda me lembro do tempo que comia terra, partia joelhos, jogava à bola, partia dentes e chegava a horas todos os dias para jantar, sem telemóvel...

Lis disse...

O poema Anti-anne Frank de Gedeão lá no L&M é eco do que aqui dizes..

indigente andrajoso disse...

sim, e a foto coaduna com as palavras