quinta-feira, setembro 04, 2008

contra a manhã burra...


sou do tempo em que esta cara era carimbada em quase tudo o que não mexia... com orgulho, agora é capa de livro...

contra a manhã burra de miguel manso... a não perder

«(...) E é de “risco”, precisamente, que estes poemas nos falam: antes de mais, o risco de quase o não serem, sobretudo para os cultores da “bela poesia”; risco, ainda, de quem recusa ancorar-se em ocos eflúvios líricos ou em hábeis reciclagens do já-dito, demonstrando antes uma notável propensão para esbater as fronteiras verbais entre o insólito e o corriqueiro. Não surpreenderá, claro, que o resultado de tal funambulismo possa parecer desigual. Em todo o caso, e tratando-se de um primeiro livro, é de sublinhar, além do ritmo seguro e do logrado efeito surpresa, uma plasticidade crua e contundente: “o leitor afastará o fumo/ destes versos e atentará/ apenas na morena/ de gorro vermelho/ junto à janela”. Se ainda é cedo para saber “qual o quadro concreto da tristeza”, não é menos verdade que “tudo isso faz mais sentido agora/ que vivemos num tempo de simulacros/ e rarefacção” e que há muito não se assistia, por cá, a uma estreia tão poética e vigorosa.»

Manuel de Freitas (Expresso)

4 comentários:

purita disse...

poesia não é bem a minha praça, mas fica anotado!

Gaston disse...

Ola.

Foi com surpresa e orgulho que tive conhecimento deste livro.
Surpresa porque fui comprar o publico da passada Sexta-feira e quando li o Y vi uma cara e nome conhecido, e logo com uma boa critica.
Orgulho por ver alguem da nossa pequena terra afirmar-se num mundo artistico. Bem, tanta conversa.
Nos nunca nos conhecemos, penso eu, temos imensos amigos em comum mas nunca tivemos contaco, o meu nome e Tiago da Neta de Fazendas de Almeirim, estudo e trabalho em Londres em Guitarra classica e Teorba e gostava muito de comprar um exemplar do teu livro, diz-me se for possivel.
Parabens pela coragem de uma edicao de autor e pelas boas criticas, o Y espera e anseia o que ha de vir de ti eu por ja espero com curiosidade para le este.
Um abraco

indigente andrajoso disse...

olá Tiago,

fico muito contente por este comentário, no entanto a única os únicos créditos que tenho é da autoria da foto que está no publico, já que o livro é de Miguel Manso, eu irei reenviar este comentário a ele e assim acertar como poderá ser feita a entrega do livro.

um abraço

Anónimo disse...

olá indigente, olá gaston,

indigente: obrigado pelo reenvio

gaston: obrigado pelas palavras. "infelizmente" o livro está quase esgotado. eu já não tenho nenhum. sei que há uns quantos (poucos) numa ou outra livraria em lisboa. talvez só contactando com as respectivas. o post do indigente faz o linque para o blogue do livro e lá estão os contactos das livrarias.

abraço

miguel