quarta-feira, outubro 01, 2008

dia mundial da música...

foto daqui



diz a definição que musica é "uma forma de arte em que a sua matéria é a organização de sons no tempo"...

e só isto, a partir daqui, as 7 notas e todo o "ruído" entre e pós elas, deram origem a toda a musica que ouvimos...

de vez em quando, muito de vez em quando, tenho oportunidade de apertar a mão de musicos que admiro, tanto nacionais como internacionais, de vez em quando, muito de vez em quando, há tempo para mais que um aperto de mão, nesta altura, se for devidamente previdente, gosto de lhes oferecer um cd com musicas minhas...

"o pat metheny tem o meu protótipo"... penso antes de sorrir...

com a democratização dos meios de produção musical todos nós temos um estúdio, com mais ou menos qualidade, em casa, todos podemos podemos divulgar a nossa música e todos podemos ser os melhores músicos underground lá do prédio, por isso deixo aqui uma base de recursos para aqueles que querem vingar no independente... clica aqui...

só um aparte, esta história do indie, underground, anti-mainstream, tem muito que se lhe diga... ás vezes é tão parvo que existem mesmo estilos definidos, veja-se o exemplo do rock-indie...

pergunto... será que esses idealistas anti-mtv e anti-corporações ainda são o que são? cá para mim muita da musica que se ouve já não é o que era... e os sons que apareciam por oposição á sigla $ já não toca tão fundo...

a musica que resulta já não é o reflexo da necessidade expressiva, da contra-cultura, dos escassos meios técnicos, das ideologia anti MTV (no conceito) etc..., tornou-se em mais uma linguagem, repetível...

no entanto o que de mais original e inovador se faz continua escondido numa garagem, num quarto, fora das grandes lojas de discos...

chega-se mais vezes ao sublime em concertos, com nomes muito difíceis de pronunciar, apertados em palcos suados apenas a meio metro de nós, em sítios onde as paredes não são pintadas e o ar-condicionado está avariado desde que não foi instalado, do que em palcos gigantes, hi-tech que debitam mais watts do que pessoas a assistir...

e depois há a censura, músicos a alterarem letras, a censurar vídeos só para que possam aparecer em horário nobre, cá para mim os melhores não fazem isto...

não tem nada a ver mas, lembro-me dos The Gift (espero que não seja só um mito) que lançaram o seu primeiro álbum com uma edição de autor porque foram recusados pelas editoras, no segundo andavam elas a roer o osso... eles fizeram-lhes um manguito e lançaram o segundo como edição de autor...

enfim... muita coisa metida num post para ser digerido mais tarde...

entretanto bom dia da música para todos e se possível vão ver e ouvir um dos poucos concerto que assinalam o dia de hoje ou ouve um álbum completo do principio ao fim, sem paragens para ir à casa de banho ou bocejar...

ps. na foto a Björk e Jónsi dos Sigur Rós, dois islandeses na representação de um pais mais alternativo musicalmente por habitante... quem já teve hipotese de ouvir ao vivo uma banda underground islandesa (ainda mais do que os retratados) percebe como eles fazem a coisa tão bem...

2 comentários:

subtilezas disse...

a cena dos gift não é mito nenhum. confirmadíssimo. boas melo-dias para ti*;)
o mercado da industria musical está em perfeita alteração. tb só podia, né?. para mim as editoras tal qual eram concebidas deixaram de ter razão de existir.

Lobistico disse...

A foto é genial! Duas grandes figuras de diferentes gerações em pleno convivío com a menina no seu no melhor :))