terça-feira, janeiro 11, 2005

passo a passo

aprender a andar, aliás reaprender a andar.

complicado...

pronto, ja tenho tudo, sapatilhas, peúgas, pés, chão, pernas, ouvido interno para manter o equilibrio até uma direcção para ir.

agora...

o chão nao para de tremer, as sapatilhas nao tem o nó dos atacadores (ainda não o sei dar), os pés assentam bem, não precisam de mais nada, as pernas seguem os pés, o ouvido interno anda a tentar equilibrar o chão, a direcção foge no horizonte.

bem...

ta complicado entao, tudo e nada, mas pronto, tem que se andar, isso é um dado adquirido. não se pode deixar de andar, andar aos tranbulhões que ficar com pó de não me mexer.

pronto...

ta tudo, as coisas trocam-se, as sapatilhas saltam (os atacadores ainda não estão com nó), os pés tropeçam (as pernas ainda não estão coordenadas), o chaão não se equilibra (o ouvido esta todo baralhado)

mais uma vez...

tenta-se, não se consegue, e não se consegue outra vez.
por vezes daqui nao é tão alto.
pronto. tenta-se. nunca se perde o objectivo, a vontade vai-se alterando de acordo com a capacidade.

va lá....

parafernália de andarilhos e membros descoordenados e chãos transformados...

levanta-te...

e levanto, as coisas ainda não estão todas no ponto, os atacadores improvisados, os pés eminentes dentro das sapatilhas a comandar as pernas, o chão treme, e treme realmente muito, tudo á mistura, a sua tremura e a tremura do ouvido, as pernas, os pés, e ainda vejo mãos á mistura....

segue...

no meio de tudo ainda se consegue dar um passo.
boa.
siga...tudo treme, treme, treme ainda, e ainda treme, treme, treme. mas pronto, para que se tem isto tudo se não for para andar?

nada...

e tudo ainda sem se ter dado um passo, apenas um equilibrio. é mais dificil quando se cai, voltar a levantar, preparar tudo etc. nem sequer confio nestes sapatos, aliás, nem sequer confio nestes pés, mas pronto são os que tenho.

va...

vá, ajuda-me, eu sei que vais ajudar, ja me deste a marca dos sapatos, e as indicações para os atacadores.

pronto...

vamos la entao, agarras-me desse lado que eu agarro-te a ti? pronto, não te falho. acredita.

força...

vamos la então, passo a passo, ante em ante pé, o que vale é que depois de começar torna-se mais facil, o chão equilibra-se ou melhor, o ouvido começa a compreender o chão, os atacadores fortalecem o nó em cada passada.

é agora...

agora, ainda cabaleando quero correr, quero correr muito, mas mesmo muito mesmo, para chegar mais depressa e mais longe.... cada vez mais e mais e mais e mais e mais e mais e mais e mais e mais e mais e mais e mais e mais e mais e mais e mais e mais e mais e mais e mais e mais e mais e mais e mais e mais e mais e mais será...

calma....

espero. espera. tem que estar tudo bem para não se soltar nada. calma, sei que é mais facil seguir de improviso. claro. não quero cair mais. nunca mais. nunca nunca nunca nunca nunca nunca mais. prefiro improvisar quando começar a correr. talvez ainda experimente uns saltos. quem sabe. veremos, nao espero muito, deixo tudo em aberto.

um de cada vez....

calma. reparo que varias formas de fazer o nó, e sempre da para variar nos pés. em bicos, de lado, de frente, etc... as pernas, arqueadas, esticadas, rigidas, moles, etc...
pronto.... ja vi que ainda se faz muita coisa.

vamos...

agora sim, avisos á navegação feita, acompanhas-me sempre nao te esqueças, eu tambem a ti. va. vamos, vamos, vou , vais, vamos, avante, pra frente.....pra frente.....pra frente.....pra frente.....pra frente.....pra frente.....pra frente.....pra frente.....pra frente.....pra frente.....pra frente.....pra frente.....pra frente.....pé ante pé. cada um de cada vez....

ainda....

ainda não sei como se faz isto tudo, chão, atacadores, equilibrio, etc.... mas ja ando, é melhor que nada... ja se anda... ja ha movimento. pronto. quero e prometo nao esquecer que a seguir tento correr, depois improviso.... pronto.... tento.

calma...

não me posso esquecer que se caio é tramado, todo a história de preparar tudo, vencer a gravidade e se bato com o diafragma no chão ainda tenho que contar com o impasse de não conseguir respirar... e se for mais do que uma.... deixa mossa... pronto, já sei isso...


espera...

sim, calma outra vez, so se consegue realmente andar quando tambem se conseguir estar parado... sim é verdade... mais um aviso á navegação.

pronto outra vez...

as gotas continuam salgadas....mas....acordei, mais uma vez, mais uma vez, esqueci-me de mim...

inclino o corpo para a frente e arranco....






merda para estas metáforas/alegorias/parábolas subverssivas...

3 comentários:

Quem? disse...

Se não consegues andar Voa, mas voa bem alto.
Se não consegues andar Sonha, mas sonha muito.
Se não consegues andar Procura, procura a maravilha.

Quem? disse...

Basta pensar em sentir
Para sentir em pensar.
Meu coração faz sorrir
Meu coração a chorar.
Depois de parar e andar,
Depois de ficar e ir,
Hei-de ser quem vai chegar
Para ser quem quer partir.

Viver é não conseguir.

Quem? disse...

Basta pensar em sentir
Para sentir em pensar.
Meu coração faz sorrir
Meu coração a chorar.
Depois de parar e andar,
Depois de ficar e ir,
Hei-de ser quem vai chegar
Para ser quem quer partir.

Viver é não conseguir.

Fernando Pessoa