sexta-feira, fevereiro 04, 2005

Recordações

entardecer


Já referi a minha estranha relação com o tempo e com as memória, talvez com as recordações tambem.

Revi recentemente memórias visuais do ano passado, reconfortantes, agradáveis, intensas, indiscritiveis.

Vejo que as recordações e memórias são confortáveis cobertores que me aquecem e reconfortam, e que mesmo que algumas vezes não estejam tão vivos na memória estão sempre presentes, podemos sempre voltar a eles, fazem parte de nós.

Todos os acontecimentos ficam registados, penso que é um dado adquirido, mesmo o que não nos lembramos fica ca dentro, faz parte de nós, faz parte do nosso carácter, da nossa pessoa.
Neste caso em particular recordo-me da carrapateira, do som das rochas e do cheiro do mar, da espuma do mar, das pessoas, dos momentos, dos sabores a sal e areia e pão e creme e pele e saliva, do frio quente do sol sobre toda a pele, dos cabelos a mergulhar adentro pelas ondas que agarram pessoas, do regresso pé ante-pé a seguir as nossas pegadas e as fotografias que dai ficaram. As estranhas familias felizes lá fora e nós felizes cá dentro.
O caminho nocturno pela lua, pelas falézias e pelos reflexos, o peixe caro e vinho barato. o adormecer.

Tudo isto faz parte de mim, mais que as imagens que a memória lembra e acredito ser uma pessoa melhor tambem por isso.

Obrigado

3 comentários:

Anónimo disse...

Espero fazer parte dessas recordações...desses momentos vividos nos limites das nossas emoções. Para mim foram e serão para sempre os instantes mais marcantes à minha pessoa. Obrigado por me teres aberto uma janela no teu coração. Ele tornou-se muito maior por ti....

Quem? disse...

Passamos metade da vida a desejar algo, e depois passamos a outra parte a recordá-lo...
Deseja, vive e recorda.
Espero por ti, sempre...

INDIGENTE ANDRAJOSO disse...

sim, estou a falar de ti