quinta-feira, junho 08, 2006

o brazil e os vampiros do alkantara

ontem no s. luiz "dançou-se" duas estórias do brazil feitas dança feitas historia.

a primeira foi a estória (Jérôme Bel - Isabel Torres) de uma bailarina, que não faz solos apenas carreira, fala-se da noção individual de cada elemento que se conjuga num bailado clássico, as suas preferencias e angustias, a ridicularidade holística do elemento fora do seu meio.
a forma como se faz dança contemporânea com dança clássica, tutu e tudo.

a segunda estória fala da história (Luiz de Abreu - o samba do crioulo doido) do brazil e do seu povo, da mistiçagem, do abuso do corpo, do icone do corpo, da patria que pode ser muita coisa.
aprende-se a mexer o corpo, a tirar partido dele da mesma forma que a nação aprende a andar a definir-se e a construir algo, mesmo que esse algo seja usado de uma forma superficial.
depois apenas fica a intoxicação ébria do abuso, e a imagem verde, amarela e azul da pátria que é mais que uma bandeira.


subwoffer (Sónia Baptista) é um filme comentado (digo eu) e não dança como estava no cartaz, como tal é engraçado, curioso e divertido. mostra uma sequencia de estórias de monstros para crianças ao bom cinema mudo do super 8, mas pouco mais, é um momento que se passa bem.
da dança pouco ou na fica, porque ela pouco ou nada existe... (fica no ar a ideia que a sónia e o rogério são capazes de muito mais...)



entretanto tudo sobre as peças e crítica a sério no melhor anjo

2 comentários:

Quem? disse...

Tás lá! gostava tanto de me conseguir esprimir através da escrita, mas acbo sempre por me "engasgar". Fica registado na minha cabeça e outros no coração...
Logo há mais!
;)

INDIGENTE ANDRAJOSO disse...

tu não te engasgas...