segunda-feira, junho 25, 2007

aritmética simples ou o circo da cultura...



hoje inaugura o museu berardo, dia em que a cultura em portugal fica um pouco mais pobre...

ficamos sem um espaço, a sul do porto, para exposições de arte contemporânea, pelo menos um sítio com dimensões dignas de uma capital europeia...

desde que surgiu o centro cultural de belém que foram cometidos inumeros erros de organização, programação e abertura para a cidade, mas foi graças à sua existencia que tivemos a possibilidade de ver algumas das melhores peças de arte contemporânea, exposições temporárias, etinerantes, uma reciclagem mais ou menos constante com dimensão suficiente para nos ir alimentando a alma...

havia o museu do design, tambem já perdeu tecto...

portugal dobra-se e beija os pés a berardo para ele não se ir embora e enchota as suas salas de possibilidades maiores que a permanencia de um colecionador endinheirado...

não estou a menosprezar a colecção do senhor, que tanto quando sei é de elevado valor, estou a questionar é a expopriação do centro de exposições... e aqui ficamos todos mais pobres...

ficamos todos mais pobres, sem crédito, sem legitimidade quando a arte em portugal vive à custa de migalhas disfarçadas de subsídios cada vezes menos frequentes e ao mesmo tempo se gaste tanto em quem já não precisa, desaparecem espaços, festivais, vontades, bienais, que se contemporaneidade para circulos cada vez mais fechados ou cada vez mais longe...

mais que berardo fez gulbenkian, esse ao menos não fazia chantagem...
estou meramente a falar do que me chega da comunicação social, que não sou muito dado a biografias...

agora um pouco de aritmética de 1º ano, no jornal lê-se que o estado vai investir 3 milhões de euros no museu berardo, 3 milhões nesta ocupação agressiva do centro cultural de belém... 3 milhões gastos não se sabe bem em quê...

o custo de construção em lisboa anda entre os 1 000€/m2 e os 1 250€/m2 e isto são preços já tem algum luxo, consegue-se construir por muito menos...

a area de exposições do "novo" museu berardo ronda os 2 000m2 o custo de investimento do estado é de 3 000 000 isto dá 1 500€/m2, 1 500€/m2 para o aproveitamento de um espaço já existente..

vai-se recuperar alguma coisa? o que? supostamente não se vai gastar os 500 000€ que a ministra disse que se usava para adquisição de novas obras para portugal, tanto quanto sei a exposição já existe, a colecção berardo é privada, logo o senhor é que compra as peças, por isso não percebo bem para onde vai este investimento, mas isso também é culpa minha, devia pesquisar mais... confesso...

será que estou a cometer algum erro ou na realidade até que podia sair mais barato construir um museu de raiz? aliás e que tal aproveitar os legados moribundos do nosso passado industrial? aproveitar os inumeros armazem devolutos à beira rio? ou terrenos, grandes vazios urbanos temas da primeira trienal de arquitectura?

com 3 000 000€ de subsidio do estado, mais uns trocos que o senhor tem nos bolsos, lisboa e portugal ganharia mais um espaço de arte, perderia um vazio apodrecido de cidade, ganhavamos todos... bem todos não... assim não ganharia tanto quem esta a ganhar com o negócio que hoje se inaugura...

...mas pronto... é só uma opinião...

3 comentários:

purita disse...

por acaso não estarás a exagerar?:)
pensa no que se passa aqui ao lado com o thyssen, tb foi um tipo que enriqueceu pela industria e investiu e soube coleccionar arte!
eu tinha era vergonha que o nosso país deixasse sair esta colecção de cá!podes não apreciar o género dele, eu pessoalmente tb não, mas não tenho a menor dúvida que Portugal, e Lx em específico, só tem a ganhar...e o tipo não há-de ser assim tão mau, e olha que eu podia não gostar dele só por ser benfiquista!hihihi

Lobistico disse...

Parece-me que tudo isto não é mais do que um depósito bancário. O banco é o estado, e quem pagas os juros ao Sr. Berardo somos todos nós.

indigente andrajoso disse...

sim claro, não estou a desprimorar o senhor ou a sua colecção, que é de relevante interesse para portugal

a unica coisa que me questiono é se o gasto de tanto dinheiro, a perca do museu do design e o desaparecimento da maior sala de exposições temporárias de lisboa, terá sido a melhor opção?

porque não fazer um novo museu berardo,num outro espaço físico?