quarta-feira, setembro 05, 2007

de sol nas mãos ...





ainda me encontro de sol nas mãos, ou apenas a não o deixar fugir…

quando era mais puto nunca tive verdadeiramente férias, daquelas que eram a sério na altura, família mais que 5 dias na praia…

em vez disso era arrevesado por outros familiares, irmão, compadres, vizinhos… nunca mais que muito tempo

lá em casa não havia férias e tinha olhava com desdem os meus amigos que iam para o algarve na páscoa e o agosto todo... (acho que se olha com desdem quando se tem inveja)

mais tarde, quando já podia sair por pé próprio, as férias eram de trabalho, vindimas, gabinetes, compal, adega, empresas rápidas de trabalho rápido… queria ter as minhas coisas, os meus luxos, e não havia outra forma, foram guitarra, amplificador e bicicleta, todos eles a sério…

sal do suor em vez do sal do mar…

até à vida adulta as férias são quase sempre pequenos recomeços, novos anos lectivos, novas coisas para fazer, novos companheiros, novas realidades de baterias recarregadas ainda a aprender a mexer de novo no mundo na forma de mexer nas coisas do dia a dia

agora as férias são quase como uma necessidade anual de relaxar, dizer “pára”, calma, toma lá a tua recompensa… cá para mim isto tem e vai mudar, o hábito faz o monstro

este ano não houve t€mpo para sair, parar mais cedo, mas a praia realmente está aqui ao lado, as distancias estão mais curtas, há amigos mais longe que falam outras línguas, os aviões mais ao nosso jeito, etc… há que aproveitar

confesso o que gostava mesmo era de sair durante um mês, não… três meses… um micro ano sabático

por enquanto não é possível… Por isso ainda agarro com as mãos o sol, aproveitar a força que ele dissolveu nos meses, não foi muito bruto mas está a durar

não custa nada… vamos aproveitar?

1 comentário:

quem? disse...

bora bora ...(?!)

eheheehhe